shadow
Diocese de Dili > NOTÍCIAS > REFLEXÃO > Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus.

Bem-aventurados os que […] sofrem perseguição por amor da justiça,

porque deles é o reino dos Céus. […]

porque é grande nos Céus a vossa recompensa» (Mt 5, 8; 12ª)

 

Caros irmão em Cristo, a festa de todos os santos é a festa de vitória. é a festa da familia de Deus, é a festa do Reino de Deus, é a festa de todos aqueles que procuram, em cada dia, amar os seus irmãos e Deus. Em todos os domingos nos celebrarmos juntos como uma familia a vitoria da vida sobre a morte feita por Jesus Cristo, portanto esta festa de todos os santos também é uma festa do povo de Deus sobre a vitória da vida de nós que ainda estamos neste mundo e daqueles que já estão na eternidade junto de Deus como santos e santas.  

Nós ouvimos na primeira leitura São João através da sua visão descreve a felicidade dos mártires e dos santos na sua condição celeste, invisível dizendo “Eu, João, vi uma multidão imensa, que ninguém podia contar, de todas as nações, tribos, povos e línguas. Estavam de pé, diante do trono e na presença do Cordeiro, vestidos com túnicas brancas e de palmas na mão. E clamavam em alta voz: «A salvação ao nosso Deus, que está sentado no trono, e ao Cordeiro».«Esses que estão vestidos de túnicas brancas, «São os que vieram da grande tribulação, os que lavaram as túnicas e as branquearam no sangue do Cordeiro». Esta é a realidade da vida que hojé celbramos. Uma vida junto de Deus, cheio de amor, da unidade, da paz, de alegria, de louvor para sempre, mas antes de chegar a esta vida, já aqui nesta terra nós procurarmos viver como filhos de Deus atrevessando muitas tentações, provações, obstáculos e perseguições. Esta situação que também a comunidade cristã de Roma experimentou ainda hojé acontecem nas comunidades cristas em varios lugares do mundo, principalmente as que  estão nos paises onde a maioria dos povos professam outra fè ou neim ter fè. Relata nos de que as primeiras muitas tentações, provações, obstáculos e perseguições tinham feito destruições cruéis nas comunidades cristãs, ainda tão jovens. Iriam estas comunidades, acabadas de fundar, desaparecer. Mas mesmo assim as visões do profeta cristão trazem uma mensagem de esperança para estas comunidades. Uma visao que revela a vitória do Cordeiro. Esta vitòria è uma vitória eterna para aqueles ques já estão no Reino do Ceu e a esperança para todos nós os cristãos que ainda estão aqui no mundo a caminhar rumo ao ceu.  O próprio Cordeiro foi imolado. Mas é o Cordeiro da Páscoa definitiva, o Ressuscitado. Ele transformou o caminho de morte em caminho de vida para todos aqueles que o seguem, em particular pelo martírio. Deste modo nòs como cristaos jà podemos participar doravante ao seu triunfo, numa festa eterna, festa dos filhos de Deus, festa de todos os santos, junto de Santo dos Santos, Nosso Senhor e Nosso Deus.

A segunda leitura afirma que desde o nosso batismo, somos chamados filhos de Deus e o nosso futuro tem a marca da eternidade. Em Jesus, vemos já o futuro ao qual nos conduz a pertença à família divina: seremos semelhantes a Ele. Disse a segunda leitura “Caríssimos, agora somos filhos de Deus e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Mas sabemos que, na altura em que se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porque O veremos tal como Ele é. Todo aquele que tem n’Ele esta esperança purifica-sea si mesmo, para ser puro, como ele é puro.” Esta segunda mensagem de esperança, responde às nossas interrogações sobre o destino último da nossa vida, que viremos a ser? A resposta é uma dedução absolutamente lógica: se Deus, no seu imenso amor, faz de nós seus filhos, não nos pode abandonar. Ora, em Jesus, vemos já o futuro ao qual nos conduz a pertença à família divina na vida eterna.

Caros irmãos, a vida de santidade e a vida eterna comcerteza é uma vida feliz. O segreda desta vida revela se no evangelho de hoje no discurso de Jesus Cristo sobre as bem aventuranças. As Bem-aventuranças revelam a realidade misteriosa da vida em Deus, iniciada no Batismo. A vida cheio de amor, da unidade, da paz, do perdão da misericórdia e da felicidade. Cristo proclama felizes todos os seus amigos que o mundo despreza e considera como mortos, consola-os, alimenta-os, chama-os filhos de Deus, introdu-los no Reino da eternidade. Porque é que Jesus declara “felizes” os seus discípulos e amigos? Porque eles são pobres de coração, porque eles estão libertos de tudo o que poderia entravar a sua liberdade. Com efeito, a alegria é o fruto da liberdade. Mas de que pobreza fala Jesus? Fala da pobreza que permite crer, esperar e amar. O pobre é aquele que “tem crédito” em Deus ou seja aquele que Cre em Deus. O pobre é também aquele que espera. O rico não pode esperar, está plenamente satisfeito. O pobre, esse, está sempre virado para um futuro que espera que seja melhor; A sua vida é uma procura e todos os sinais que ele encontra enchem-no de alegria e fazem-no avançar. Com efeito, pôr-se em questão só é possível para aquele que espera tornar-se melhor. O pobre é aquele que ama. Por não estar plenamente satisfeito consigo mesmo, o pobre está disponível para servir os seus irmãos. Não centrado em si próprio, abre os olhos e vê aqueles que esperam os seus gestos de amor; ouve os gritos dos seus irmãos e abre as suas mãos vazias para as estender àquele que tem necessidade. A sua pobreza fá-lo receber e, ao mesmo tempo, dar o pouco que tem.

Irmão, festejamos neste dia todos aqueles que tomam de tal modo a sério as bem-aventuranças que são hoje plenamente felizes e santos. Queremos experimentar ser já felizes e santos? Basta-nos ter um coração de pobre.

Para fechar a nossa reflexao queria propor uma sugestão pertinente, seria a de ler alguns textos da Exortação Apostólica “Gaudete et Exsultate” do Papa Francisco sobre a santidade no mundo atual, em particular o capítulo dedicado às Bem-aventuranças como caminho da santidade. E já agora o capítulo sobre as cinco características da santidade: firmeza, paciência e mansidão; alegria e sentido de humor; audácia e ardor; comunidade; oração constante. É uma sugestão de longo alcance, que vale sempre a pena retomar para recomeçarmos sempre o nosso caminho da santidade.  Amen.

 

Motael, 01 de Novembro 2020

DOMINGO COMUM, ANO A-TODOS OS SANTOS. Por: Pb.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *